top of page

Urbanização Escondida 3/12

Riquezas culturais, mas também em muito dinheiro. e isto não é só nos cofres públicos ou nas contas bancárias de moradores ricos: São Paulo é uma cidade cara. De acordo com o banco suíço Julius Bär, a cidade é 12ª mais cara do mundo para os super-ricos. O banco divulgou ainda que a capital paulista está entre as 10 cidades em que os super-ricos mais gostam no mundo, justamente, para manter seu estilo de vida. Sampa ficou na nota posição.


São Paulo é cara também para quem não é super rico, já que o custo de vida da capital, de acordo com o IBGE, é um dos mais caros do país, perdendo somente para Florianópolis, capital de Santa Catarina.

Para se viver em São Paulo, o custo de vida médio é na faixa de R$ 4.500,00, podendo variar para mais ou para menos, conforme a região. A cidade, além de ter um custo para viver elevado, possui problemas com a pobreza e extrema pobreza.

Segundo dados do CadÚnico da Prefeitura, o número de famílias na extrema pobreza é de 793 mil, conforme levantamento realizado até março de 2023.


Cabe lembrar que a pobreza extrema é classificada pelo IBGE como uma renda diária menor a US$ 1,90 por dia, ou seja, se o dólar vale, em média, R$ 5, então num mês de 30 dias, a renda é de R$ 150.


Com uma renda inferior a R$ 150, milhares de paulistanos estão longe da cultura da cidade, apresentada em diversos teatros por exemplo. Acompanhar shows musicais é uma realidade distante para estas famílias.


Natan Kurata é paulistano, e trabalha com música. Ele é cantor independente, ou seja, sem vínculos com gravadoras, e um morador do bairro do Cambuci, no centro paulistano.

Imagem: reprodução/Rubens Chaves/FolhaPress/Região do Cambuci

"Ser cantor independente em qualquer lugar do mundo já é um grande desafio. Em São Paulo não é diferente, porque temos várias cenas musicais espalhadas em cada região, e você precisa saber onde pode e quer se encaixar."

Ele explica que para um artista com pouca visibilidade, às vezes, nem sabe por onde começar.


Natan diz que a cidade de São Paulo possui muita diversidade cultural porque recebe pessoas do Brasil inteiro e do mundo também. "A cidade não tem uma identidade própria nesse sentido, mas mistura influências de todas essas pessoas que vêm pra cá."

Imagem: divulgação/Natan Kurata

No entanto, o artista diz enxerga que São Paulo está passando por um período que está perdendo parte de sua história. Ele explica que quando muitos estabelecimentos são fechados, por não conseguirem se sustentar, e no lugar acabam se construindo prédios, então toda a personalidade que os bairros tinha, acaba, se apagando.


A Abrasel-SP, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes, chegou a informar que, no ano de 2020, cerca de 12 mil bares e restaurantes fecharam as portas por conta da pandemia de Covid-19. Boa parte destes estabelecimentos tinham música ao vivo, com muitos artistas independentes.


Em 2020, consolidou-se em São Paulo o delivery, e mesmo com a ascensão do serviço, houve quebra de negócios na área alimentícia. O delivery musical, chamado de YouTube, Spotify, Deezer, não era (e para muitos ainda não é) uma fonte de renda.


Natan Kurata, ainda sobre a cidade de São Paulo, relata que muitas vezes os eventos culturais ficam na região central, o que torna a região cara e pouco acessível à boa parte da população. Natan observa pontos positivos, já que por ser uma cidade muito grande, a curiosidade e sede por eventos culturais faz com que paulistanos se conheçam, façam amizades e visitem locais novos a todo momento.

Imagem: reprodução/Canopus/Região da Pompeia

"Cada bairro ainda tem uma personalidade e é conhecido pelos costumes da sua imigração/migração, e é isso eu acho muito legal quando conseguimos manter e exaltar algumas tradições."

São Paulo é rica em cultura, o mundo musical sempre permeia por todos os cantos da capital paulista. Sobre a cidade em si, Natan diz: "Eu tenho uma relação de amor e ódio pela cidade, justamente por tudo que ela oferece de bom e ruim. Para alguém que chegou agora, pode ser bem intimidante, mas ela tem pedacinhos acolhedores."


"Eu gosto muito de andar sem rumo e descobrir algo novo e isso acontece sempre, seja um lugar pra comer, pra ouvir música ou pra passear", Natan completa, relembrando que até 2019 foi vocalista da banda Vó Tereza. Cabe lembrar que o artista tem um EP que foi lançado em 2021, e um single lançado há cerca de um mês. O cantor revela, ainda, que seu próximo single, 'Nós', será lançado no começo de novembro, e estará disponível em todas as plataformas digitais.


Quando março de 2020 chegou, o avalanche chamado Covid-19 passou a fazer parte diariamente da rotina da capital paulista. O presidente da Associação Cultural do Rock de São Paulo, músico, compositor, empresário, Daniel Gerber, relata ao Portal Futuro Livre, como foi este período:


"De repente vimos as ruas da capital paulista vazias, alguém poderia deitar no meio da Avenida Paulista e nada aconteceria. Exceto, talvez, ficar com Covid."
Imagem: reprodução/Rovena Rosa/Agência Brasil

Daniel conta como o entretenimento foi afetado na capital: "O entretenimento congelou na cidade. Foi o primeiro ramo a ser suspenso, e foi o último a voltar. Aglomerações foram suspensas e sendo liberadas gradativamente, dois anos depois o meio artístico e de entretenimento em geral sofria o desemprego, desesperança e desamparo, pois foi impossível se preparar ou prever tudo isto."

Imagem: divulgação/Daniel Gerber

"Nós, seres humanos nos adaptamos, faz parte, então a tecnologia digital surgiu como alternativa, funcionou de certa forma para os milhões de pessoas confinadas, que parecem ter se acostumado com o conforto de um sofá, e a economia de sair. Estas sequelas ficaram em nossa sociedade, bem como uma enxurrada constante de informação digital."

Daniel segue e diz: "Como tudo na vida, existe o lado bom, mas a transformação não natural, imposta, infringe um preço muito alto em todos os tipos de arte de apresentação ao vivo, que até hoje não recuperaram a audiência presencial pré-pandemia."


1 comentário
bottom of page