top of page

Nazismo: Monark é demitido e Flow perde patrocinadores

Atualizado: 9 de fev. de 2022

O nazismo, movimento fascista, ganhou protagonismo nas últimas horas após polêmicas envolvendo principalmente Monark, que apresentava (até então) o Flow Podcast.


Imagem: reprodução/YouTube/Flow


Bruno Aiub, o Monark, foi desligado do podcast por defender a criação de um partido nazista no Brasil.


Com a participação dos parlamentares Tabata Amaral, do PSB de São Paulo, e Kim Kataguiri, do DEM de São Paulo, o episódio do último dia 07, causou polêmica.


Imagem: reprodução/internet


Monark disse que a esquerda radical tem mais espaço que a direira radical, e na opinião dele as duas tinham que ter espaço. O apresentador segue dizendo que tinha que ter um partido nazista reconhecido pela Lei. "As pessoas não têm o direito de serem idiotas? Se o cara quiser ser antijudeu, eu acho que ele deveria ter o direito de ser.", disse Aiub.


Ele se desculpou em um vídeo, afirmando estar bêbado, e disse que teria sido insensível ao defender, nas palavras dele, uma ideia comum nos EUA.


O programa acabou sendo abalado comercialmente. A Flash, que têm donos ligados a origem judaica, disse que encerrou o contrato com os Estúdios Flow. Também anunciou fim de parceria a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro. A Puma informou que repudia as declarações e pediu para retirar sua identidade visual como patrocinador do podcast. O iFood também não mantém mais relação comercial com a Flow. Informando que patrocinou apenas dois episódios, assim foi o pronunciamento da Mondeléz Brasil.


Imagem: reprodução/Jovem Pan News


Repercutindo o caso em um debate na programação da Jovem Pan News, o comentarista Adrilles Jorge teria feito um gesto de saudação nazista, algo que é um crime previsto na Lei.


Com a situação, o Grupo Jovem Pan disse que repudia qualquer manifestação em defesa do nazismo, ressaltou que os comentaristas têm liberdade para emitir opiniões, porém deixou claro que as opiniões precisam estar nos limites da Lei.


A consequência é que a opinião de Adrilles causou sua demissão da emissora. Ele, que também já participou do BBB, da TV Globo, disse em seu comentário no programa Opinião, que o nazismo matou 6 milhões de judeus, o comunismo matou mais de 100 milhões, e hoje é visto, nas palavras dele, como algo livre, com partidos normalizados.


Sendo informado por William Travassos, que comanda a atração, sobre o tempo do programa, que já estava no fim, Adrilles Jorge levou sua mão estendida à altura do rosto, algo parecido com a expressão alemã 'salve a vitória', que foi muito utilizada no período do nazismo.


Apologia ao nazismo, no Brasil, é crime. Ainda há divergências entre especialistas, se Monark cometeu crime. Os Ministros do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes relembraram que é crime apologia ao Nazismo.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page