top of page

Dor no pescoço: saiba a diferença entre elas e a maneira de lidar com cada condição

Mau jeito ou problemas mais graves?

O pescoço desempenha um papel vital na sustentação da cabeça e na conexão entre a clavícula e a coluna vertebral e por reunir diversas estruturas essenciais merece atenção especial. Afinal, quem nunca sentiu aquela fisgada no pescoço que desce pelas costas, ou que simplesmente acordou com dores devido a uma noite mal dormida?


Pois é, a dor nesta região é super comum e acomete qualquer pessoa, em qualquer momento da vida. Para Bernardo Sampaio, fisioterapeuta e diretor clínico do ITC Vertebral Unidade de Guarulhos, o importante é identificar a frequência e a intensidade da dor, uma vez que ela pode surgir por inúmeros motivos e cada um deles exigirá uma postura diferente” – alerta.

Imagem: Internet


Em geral, as dores nesta região acontecem devido a movimentos repetitivos, levantamento de pesos inadequado e até mesmo estresse, que dependendo do grau pode levar a uma postura inadequada e a contraturas musculares crônicas. Nestes casos, as dores são sentidas como uma rigidez, algo latejante ou uma sensação de aperto.


Sampaio reforça que técnicas de terapia manual, tanto para a parte muscular quanto para as articulações trazem bons resultados. Porém, se as dores gerarem formigamento, dormência e fraqueza nos braços, pode ser sinal de hérnia de disco e isso vai demandar um tratamento especializado, por exemplo. “A hérnia de disco ocorre quando o material gelatinoso do disco intervertebral sai de sua posição normal, comprimindo as raízes nervosas na coluna cervical o que pode resultar em dores nesta região” – alerta.


Além da hérnia de disco, a artrose cervical, um processo degenerativo comum que acontece com os indivíduos principalmente após os 50 anos e que para alguns pode ser sintomático ou não, pode ser um dos motivos destas dores. “Essa condição degenerativa afeta as articulações do pescoço. A osteoartrite cervical é a forma mais comum e pode causar dor, rigidez e limitação de movimento no pescoço” finaliza o fisioterapeuta.


É importante ressaltar que cada indivíduo pode apresentar sintomas diferentes e é fundamental buscar orientação médica se a dor persistir, piorar ou estiver associada a outros sintomas, ou limitar os movimentos básicos.


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page